quinta-feira, 25 de janeiro de 2007

Desejos

Desejo cumplicidades de alma muda num sofá de areia branca.
Cumplicidade de olhos verdes como algas e nuances de preia-mar.
Tu, desejas ver extinguir-se a noite de mansinho.
Eu, escrevo desejos de ser quem somos, de dançar esta onda juntos.
Somos corpos e sombras que se bebem em forma de arte.
Adorável sofá de areia branca, descansas um ser que em ti se reinventa.

4 comentários:

Psyche disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Psyche disse...

podia chamar-se "declaração de amor à praia", este texto. está lindissimo...

carla vidal disse...

Mantém a alma sensível e o corpo animal numa unidade para que não possam separar-se.
Controla a força vital, afim de que te transformes novamente numa criança recém-nascida.
Quando afugentares as visões misteriosas de tua imaginação poderás, então, tornar-te sem mácula.
Purifica-te e não procures respostas intelectuais para o Mistério.
Quando o discernimento penetra as quatro regiões, talvez não conheças aquilo que dá vida e a sustém.
Aquilo que dá vida não reclama qualquer posse. Beneficia, mas não exige gratidão. Comanda, mas não exerce autoridade. Eis a chamada “qualidade misteriosa”.

patriciar disse...

"as tuas mãos, ou a tua pele, ou os teus lábios.
O teu olhar.o teu olhar lembra-me sempre que

ou os teus cabelos,ou a maneira exacta como
o teu rosto.o teu rosto.ou o teu
corpo que
adormece onde o vento não se esqueceu de

ou cada uma das tuas palavras,
palavras,
palavras numa língua de céus
impossíveis."

J.L.P in A casa, a Escoridão